segunda-feira, 24 de julho de 2017

Do Livro dos Destinos - IMAGINAÇÃO

Voar era só para os pássaros até o homem
dar asas à imaginação.
Se os pássaros derem imaginação às asas,
os homens os alcançarão?
Fábio Roberto

sábado, 22 de julho de 2017

Do Livro dos Destinos - ÁRVORE

Uma árvore seca, sem folhas, é sombra da sombra que fazia.

Mas a sombra da árvore não é a árvore, não existe sem ela, não tem raízes.

Uma árvore seca continuará sendo uma árvore até morrer, como um homem velho, árvore seca, sombra da sombra, terá sempre a raiz fincada em sua estória de homem.


Fábio Roberto

sábado, 15 de julho de 2017

Do Livro dos Destinos

PAPEL
Preocupa-se muito um papel antes de nascer.
Que papel ele terá no mundo?
Papel de embrulho, para escrever ou desenhar?
Causará boa impressão ou fará um papelão?
Será ele uma pasta, notícias de jornal ou decoração de uma parede?
Oh missão ingrata, se com tantas possibilidades for chamado de higiênico para viver na merda!


Fábio Roberto

sexta-feira, 14 de julho de 2017

SOBRE A MESA...

Tinha uma torta,
era doce,
era meta,
sobre a mesa...
Doce que não se toca,
porque se prova
antes mesmo dos lábios abrirem,
antes mesmo de fazê-la...
Torta como esses versos,
Reta como as indiretas
que por vezes seguem um mapa,
peculiar,
lunar,
morrendo no mar!...

quinta-feira, 13 de julho de 2017

AMOR À PRIMEIRA VISTA

Resolvi encontrá-la amanhã.
A minha namorada, uma mulher especial.
E eu vou me apaixonar por ela instantaneamente.
Em minutos escreverei três livros de poemas
a ela dedicados. E serão compostas por mim,
em menos de meia hora, uma centena de músicas
inspiradas por essa Musa. Ela, com seu jeito
ora tímido ora maroto, conquistará o meu coração
com tanta força que a pedirei em casamento
amanhã mesmo. Com um sorriso resplandecente,
amanhã ela dirá sim. Amanhã nos enlaçaremos
e vamos nos amar tão intensamente que geraremos
nossos filhos, que ainda amanhã crescerão belos
e saudáveis. Nós seremos eternamente companheiros amanhã. Envelheceremos juntos vivendo esse dia de forma violentamente verdadeira. O tempo não terá para nós nenhum sentido.
Não nos fará falta, nem nos sobrará.
Só nos importará o dia de amanhã.
Não anos atrás, que nem existiram. Não ontem,
quando não existimos realmente porque nosso amor
não existia.
Renasceremos amanhã com o nosso amor.
Sem pressa. Sem passado. Sem futuro.
Um amanhã que nunca acabará e deixará o depois de amanhã
sem ter o que fazer, estático, num perpétuo aguardar sem nem poder admirar o nosso amor que nunca terá acontecido ontem.
Por ter nascido e vivido dessa forma impossível, invejada, platônica, onírica, romântica, perfeita, loucamente apaixonada, utópica, lírica, mágica, totalmente e somente amanhã.
          

Fábio Roberto

segunda-feira, 10 de julho de 2017

Uma

Eu bebo muito. Falo exacerbadamente. Emudeço eternidades. Ninguém me alcança. Mas você canta e eu me ultrapasso.  Faço músicas compulsivamente. Tenho tesão de tarado. Escrevo insanamente. Bebo muito. Tenho pique pra 24 horas de papos ou trabalhos. Mas não tenho 24 horas. Sou um segundo.  Tenho ansiedade. E mantenho a calma porque morri a pressa.  Não tenho ódio. Apenas sou revoltado com este mundo medíocre. Bebo pouco pelo que tenho de sede. Vivo pouco pelo que tenho vontade de viver. Sonho muito pelo que tenho de vida. Bebo bastante. Tenho sede que não passa. Tenho fome de canibal. Animal. Uivo e sou gente.  Eu sou ninguém.  Sou tudo. Sou mais intenso que fogo. Fico de fogo, mas sóbrio. Sóbrio eu enlouqueço. Sou além de nada. Eu amo. Eu te amo. E amei além de paixão. Amor. Amorte. Eu me queimo e quem chega perto queimo violentamente. Mente. Minto. Eu sou todo verdade. Tem mulher que acendi e vai ferver eternamente. Tem mulher que me apaguei. Nenhuma me apagou. Bebo muito. E te beberei toda.  Você ta chegando agora. Muito prazer, este sou eu. Saiba. Eu te desejo tanto que vou fazer mais uma canção de amor. Só prá você.


Fábio Roberto

quarta-feira, 5 de julho de 2017

FOCA EM FOCO

André pare de ciúme
O Jairo é todinho teu
Pode produzir um filme
Que ele será o teu Romeu

E você fará a Julieta
Certamente com maestria
Cena nua não será feita
Senão mostrará estria

Louvo brilhante volta
A esta nossa brincadeira
De poetas sem escolta
Só com palavra ligeira

Escrevo neste poema:
Leve o teu Romeu pra cama
Lotarão qualquer cinema
Finalmente terás fama!

Faroberto





Safabio

Caro amigo, amigo Fábio que saudades tenho disso 
Admito fiquei longe, tô voltando, sinto falta 
Verso ao vento sem frescura, sem pudor, sem compromisso
Tenho só ninado baby, mamadeira ou troca fralda.  

Sei amigo, sente muito, que saudades  também
De apanhar de versos longos, todo dia, feito safa 
A alcateia sem um rumo, vira farra, não convém 
Paciência, tenha calma, tá voltando o macho alfa 

Agora tem um fato que incomoda sua fama
Você e amigo Jairo, eu pergunto, não me engana 
Quem é nesse romance o cavalheiro e quem é a dama? 

André 

terça-feira, 4 de julho de 2017

PROCURA-SE UM POETA


Atendia na alcunha de Foca
Às vezes o chamavam de André
Era um tal de Poeta da Mooca
Bom de palavras, churras e mé

Hoje só pensa em fraldas
De pano, plástico, papel
Em branco ficaram laudas
Na cabeça só cabe chapéu

Talvez um dia ele volte
A ser o que seria se quisesse
Talvez a inspiração solte
Quem sabe redija uma tese

Vou fazer a minha parte
Provocando os brios da fera
Quem sabe se lembre que arte
É fundamental pra atmosfera

Mas se preferir preguiça
Rasgar versos, quebrar viola
A gente reza uma missa:
vai ver que virou boiola!


Fábio Roberto

QUERER


Quero morrer
Agora
Neste instante
Neste momento em que estou respirando este ar
Tão saudável
E pútrido
E mal cheiroso
E perfumado
De mundo

Quero morrer
Agora
Antes que você fale palavra
Qual seja a palavra ou sentimento quero morrer

É uma dor insuportável quando eu me sinto feliz!


Fábio Roberto

segunda-feira, 3 de julho de 2017

Te amo


Nunca pensei em falar Isto, mas te amo
Amo você por causa da distância,
Tanto de tempo quanto geográfica
Te amo por que te amo
Como hoje fosse meu último dia neste planeta
Te amo pois te amo
Nos sorrisos e nas horas em telefonemas
Te amo por te amar mesmo
Natural como respirar, como nascer ou  morrer
Acho que nunca amei ninguém na verdade
Na essência que sinto agora
Na tua presença em meus sonhos
Num perfume que ainda não senti
Te amo por que te amo.
Te amo pois nunca amei ninguém.
E agora
Te amo


Jairo 2017 

domingo, 2 de julho de 2017

UM PARECER DO TEMPO

Conversando com o Fábio em 2012, eis que surge a dúvida: "o que você vai fazer da vida Bia?". E eu respondo, segundo a boa memória do Fábio: "não sei ainda, estou na dúvida se faço exatas, humanas ou biológicas.

UM PARECER DO TEMPO 
Posso parecer menina
Mas meu tempo passa como de um ancião

Um relógio descompassado e ansioso
Como é também meu coração 

Minha alma hoje é repleta de
poucos amores sentidos e de boas viagens vividas 

Apesar disso carrego em mim os estranhos medos Humanos 
A certeza dos futuros não Exatos
E a dúvida da complexa arte Biológica
que é o viver

sábado, 1 de julho de 2017

LÁBIOS DE MANEQUIM

Era bela a estória, mas não teve fim
Como se de um livro página rasgasse
Derradeira cena que não se filmasse
Ou se arrancasse as cordas do bandolim

Antes que a seresta uma voz cantasse
E se batessem as asas de um querubim
Como se apagasse luz de curumim
Ou se o tempo nunca mais passasse

Deixando só o vazio que o olho admirasse
Terra devastada, sem nenhum jardim
Samba que esqueceu o som do tamborim
Um reencontro em que não se abraçasse

Ou nele se beijasse lábios de manequim
Como se um poeta nunca mais amasse
E se a lembrança que o habitasse
Fosse a estória bela que não teve fim


Fábio Roberto

quinta-feira, 29 de junho de 2017

DEVANEIOS


A DOR
Qual é o caminho da vida quando a vida é qualquer caminho
E tudo o que espera é andar sem destino?

Eu belisco o teu corpo no sonho para saber se eu estou vivendo
Se te doer eu estou vivo
Se não te doer eu continuo sonhando

Só me importava viver se você continuasse viva em meu sonho
Até em sonho a saudade era dolorida
Tristeza é não mais sentir essa dor

Qual será o caminho da vida quando o sonho for qualquer caminho?


PÁTRIA
Qual é o teu país?
Andar a esmo?
Elevar-se ao extremo?
Amar a rodo?
Apaixonar-se todo?
Talvez ser feliz


C’EST LA VIE
A morte é para quem vive.
A vida é para quem ama.
O amor é para quem morre.
A morte é pra quem ama. A vida.


DROGA
Tava pensando em fumar um cigarrinho de maconha. Aí a pessoa ao lado, indignada, pergunta: mas como assim? Você faz poesia, música, é doido e não fuma maconha? Assim acordado pra realidade eu decido não fumar um cigarrinho de maconha. Recuso, caretamente, hoje, o LSD que era tão ousado. E concluo, tão velho e desiludido do mundo, que preciso pensar. Beber que nem louco. Nada basta, não consigo mais sonhar. Não existe droga que me faça viver!


SOLUÇÃO
Seja otimista. Os seres humanos têm solução sim: a extinção!


Fábio Roberto
(de livros diversos) (devaneios escritos em perambulações recentes)



quarta-feira, 28 de junho de 2017

amorno

amorno: nem frio nem quente
o gelado da cerveja preserva
oposto do que há numa aguardente
amor faz tanto sol quanto neva
é tanto livre quanto mais carente
é menos visível quanto mais observa
por isso a boca busca sedenta a cerva
como sedenta busca o beijo ausente
não importa o líquido que se à boca leva
mas a volúpia que essa boca sente.